“Ficamos impressionados com os equipamentos e com toda a estrutura da universidade, filosofia e o alcance que vocês têm principalmente com o interior do Estado”. A avaliação é do diretor-presidente do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA), Fábio Calderaro, após visitar o primeiro Centro Multiusuário para Análise de Fenômenos Biomédicos (CMABio) da região Norte instalado na Escola Superior de Ciências da Saúde da Universidade do Estado do Amazonas (ESA/UEA).

A visita ocorreu nesta sexta-feira (1) e contou ainda com a presença do superintendente Adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Regional da Suframa, Alcimar Marques de Araújo Martins, do diretor da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESA), Diego Regalado, do reitor da UEA, Cleinaldo Costa e do consultor em Negócios da Biodiversidade, João Matos. Os diretores do CBA e da Suframa ainda conheceram a estrutura do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da Escola Superior de Ciências da Saúde (UNA-SUS Amazônia) e o Telessaúde Amazonas.

“Queremos incrementar o CMABio. Para que esses acordos de cooperação e a interação com a iniciativa privada aconteça, pois o Marco Legal da Inovação já possibilita, é preciso regulamentar a política de inovação no Estado. É preciso deixar claro que nós temos que ser unidos nos objetivos, o CBA é uma extensão da UEA. Então estamos conversando para trabalharmos juntos, só assim vamos alcançar os objetivos, que são de desenvolver os bionegócios na região, não trabalhando de forma isolada, mas sempre em parceria”, salientou o diretor-presidente do CBA.

Calderaro observou ainda que a UEA existe por atuação do modelo da Zona Franca do Polo Industrial de Manaus e se mostrou bastante motivado com os investimentos na universidade. “Vim conhecer a estrutura laboratorial de vocês para ver se era complementar a nossa. Hoje, a gente viu que existe atendimento especializado no interior do Amazonas, graças à estrutura da UEA. Então ficamos impressionados com a qualidade do ensino e com os atendimentos prestados ao interior do Estado”, salientou o diretor do CBA.

O reitor da UEA, Cleinaldo Costa, observou que o CMABio tem uma característica interessante pois vai além da área de saúde. “Por exemplo, uma solda de um celular que utilizamos no dia a dia quebre o microscópio aqui do CMABio pode fazer uma varredura. Caso o celular utilize um polímero para fazer a cola podemos verificar qual o componente químico está falhando do ponto de vista da manufatura”, destacou o reitor.

Cleinaldo pontuou ainda que a universidade precisa estar qualificada para atender as demandas da indústria. “Se a indústria demandar nós temos que ser qualificados para atender. Isso movimenta recursos, a pesquisa, além do mais faz sobreviver laboratórios. A UEA tem que estar pronta para atender a necessidade. Por isso, investimos em recursos humanos altamente qualificados. Neste laboratório trabalham egressos do curso de Biotecnologia da UEA e fico bastante alegre”, pontuou o reitor.

Para o diretor da Escola Superior de Ciências da Saúde (ESA), Diego Regalado, a visita do CBA no Centro é extremamente importante para mostrar que o laboratório está disponível, seja para empresas, para pesquisas, ou qualquer instituição pública ou privada que eventualmente tenha interesse em utilizar os equipamentos instalados. “Entendendo que é uma parceria interessante não só para a UEA, mas como também para as empresas do distrito”, finalizou.

Categorias: Visita Guiada

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *